Fardas e Uniformes de Trabalho – Design, Proteção, Inovação ou todos eles?

Fardas e Uniformes de Trabalho – Design, Proteção, Inovação ou todos eles?

Os materiais com características de proteção irão tornar-se essenciais no nosso quotidiano, quer em ambiente profissional quer em ambiente pessoal e de lazer.  Segundo alguns estudos, os têxteis serão, a primeira linha de defesa na proteção das pessoas. Deste modo, as fardas e uniformes de trabalho estão a sofrer diversas alterações quer ao nível do design, ao nível de acabamentos que garantem uma proteção extra ao utilizador bem como uma inovação constante.

Com o surgimento da pandemia de Covid-19, a procura relativa a máscaras e EPIs Hospitalares aumentou significativamente, sendo que o receio de novos surtos estão a impulsionar a procura de novos materiais que garantam uma proteção cada vez mais eficaz.

Design, Proteção e Inovação dominam as tendências na produção de fardas e uniformes de trabalho

As novas tendências de design aplicados à moda e ao vestuário andam à volta da sustentabilidade, ecologia, extra conforto, mobilidade e acabamentos de tecidos inovadores. Nós Unifardas, enquanto fabricantes de Vestuário de Trabalho, queremos aplicar todos esses conceitos às Fardas e Uniformes produzidas por nós de modo a fornecermos aos utilizadores um conceito mais moderno, inovador mas também com características de proteção e sustentabilidade.

Sustentabilidade com Design

O setor têxtil e do vestuário tem-se afirmado pela inovação e criatividade. Nos dias de hoje, vemos uma crescente preocupação tanto dos consumidores como das empresas relativamente à sustentabilidade.

Este é um tema atual, debatido e visto como uma solução para minimizar várias ações que têm vindo a ser cometidas e que danificam o nosso planeta, tal como, o aquecimento global, a poluição, a desflorestação, entre muitas outras. No entanto, este fator não pode ser pensado apenas como a proteção do meio ambiente mas sim inserido num conjunto de diretrizes que representem os valores das marcas. Nesse sentido, é preciso abordar a questão da sustentabilidade com base em três dimensões: design, inovação e proteção.

Quando falamos de Design aliado à sustentabilidade referimo-nos sobretudo ao papel do designer no contexto atual que é conciliar as questões ambientais com o modelo económico. Isto é, como não se pretende, nem sendo possível cessar a produção e o consumo, é necessário encontrar outras matérias-primas, outros materiais que possam ser aplicados ao processo de design no fabrico de fardas e uniformes de trabalho e que não sejam tão prejudiciais para o meio ambiente.

A abordagem do ecodesign  apresenta-se como uma ferramenta valiosa, uma vez que busca minimizar os impactos ambientais ao longo de todo o ciclo de vida do produto, desde a sua conceção até ao seu fim de ciclo

Imagem sobre a sustentabilidade e o ecodesign aplicados às fardas e uniformes da Unifardas

A Personalização / Customização é também uma das tendências cada vez mais valorizadas pelos clientes e pelos diferentes mercados. Personalizar o vestuário profissional  tendo em conta o ambiente de trabalho de cada utilizador, as suas necessidades técnicas, as suas medidas e que reflita uma identidade própria são pontos cada vez mais valorizados e que temos que investir de modo a responder a estas exigências. Recentemente a Accenture através de um estudo efetuado conclui que os consumidores preferem comprar produtos de uma marca que personalize as suas interações. Aliás, a proposta de valor da Unifardas incide sobre esse mesmo aspeto; Personalização / Customização.

Criar algo único para o cliente tendo em conta o ambiente em que o vestuário de trabalho será utilizado, as exigências técnicas do seu negócio, o design mais adequado de modo a responder a uma identidade da empresa e manter os pontos que dizem respeito ao conforto, proteção, durabilidade são fundamentais neste processo de customização tão valorizado por nós.

Conforto como uma preocupação de um design focado no cliente

Os consumidores e mais concretamente os utilizador de fardas e uniformes de trabalho estão sobretudo interessados em peças de vestuário que lhes confiram conforto. Usar um uniforme durante todo o dia de trabalho não tem nem pode ser algo desconfortável, doloroso e incómodo. O conforto é identificado como um dos atributos chave para atrair o desejo do consumidor e reconhecer essas necessidades. Mas como se consegue fornecer esse conforto aos utilizadores de roupa de trabalho?

É neste aspeto que se unem conceitos como Design, Sustentabilidade, Personalização e Inovação. Hoje em dia existe uma oferta grande de materiais que aplicados ao vestuário de trabalho, conferem uma leveza, uma frescura, uma proteção e uma flexibilidade maior ao utilizador deste tipo de vestuário. Assim sendo, o design tem a função de aplicar esses materiais ao fabrico  desse vestuário que oferecem todo esse conforto ao utilizador.

Conforto ergonómico nas fardas e uniformes de trabalho

O conforto ergonómico pode ser definido com uma estado físico e mental. O físico está relacionado com as sensações provocadas pelo contacto do tecido com a pele e do ajuste da confeção ao corpo sem prejudicar os movimentos do utilizador. Deste modo, a nível genérico é possível compreender que o conforto ergonómico está relacionado com a compatibilidade de movimentos, conforto e segurança. Assim sendo, estes aspetos relacionam-se também com aspetos físicos tais como: temperatura, medidas corporais e as formas adequadas que facilitam os movimentos.

Os materiais de proteção como primeira linha de defesa nas fardas e uniformes de trabalho

Uma característica muito importante que o vestuário profissional poderá ter, é o grau de proteção que este mesmo pode fornecer ao utilizador. Além do Design e da Inovação, a proteção dada através dos tratamentos que o tecido possui é algo muito valorizado nas fardas e uniformes de trabalho nos dias de hoje.

Proteção antiviral 

  • Este é um acabamento já bastante conhecido no vestuário de profissionais de saúde mas que deverá migrar para o vestuário quotidiano. Existe uma grande vontade quer por parte de investigadores quer por fabricantes em desenvolverem novas soluções têxteis de defesa ao Covid-19. Em todo o mundo existem diversas soluções de acabamentos aplicados aos tecidos que têm como objetivo aplicar um grau de defesa ao vestuário tendo em conta esta pandemia que nos afeta a todos.
  • O acabamento dado ao tecido inibe o crescimento e persistência do vírus no tecido, reduzindo até 99% da carga viral. Aliás,  existem diversos estudos relativamente a este acabamento que garantem que este mesmo também contribui para uma maior higienização e controlo de odor. Isto acontece através de um mecanismo que bloqueia a sua ligação nas células hospedeiras, impedindo assim o seu crescimento e proliferação.

Tecidos antimicrobianos

  • A tecnologia antimicrobiana adiciona uma barreira de defesa durável ao tecido, que ajuda a combater bactérias causadoras de odores. Isto faz com que um produto com tecido antimicrobiano permaneça mais fresco por mais tempo. Esta proteção é duradoura e contínua contra micróbios potencialmente nocivos e dura lavagem após lavagem.
  • O suor é algo universal e natural. Quando uma pessoa transpira, a bactéria da pele consome nutrientes do suor e decompõe-no, produzindo o odor. Desse modo, o tecido antimicrobiano inibe o crescimento de odores desagradáveis antes que eles comecem no vestuário, controlando o crescimento bacteriano.

Soluções Naturais

  • As soluções naturais são uma excelente opção para os consumidores com uma forte preocupação ambiental, podendo ser orgânicos, renováveis ou biodegradáveis, sendo que, em conjunto com fibras naturais dão origem a tecidos macios e frescos. Estas soluções ou compostos naturais pode ser provenientes do mar, tal como os péptidos de colagénio provenientes das escamas de peixe, com efeitos anti inflamatórios e algas, ricas em vitaminas, aminoácidos e minerais que reduzem a irritação e ajudam na regeneração da pele.
  • Uma marca italiana por exemplo, está a utilizar proteína de leite para criar peças de vestuário macias e antialérgicas.

Tecidos com proteção UV

  • Todos sabemos que a não utilização de proteção solar numa exposição prolongada ao sol é algo muito perigoso para a saúde. Existem diversas formas de se prevenir contra os raios solares sendo que uma delas é o uso de vestuário com proteção UV.
  • A produção deste tecido com proteção solar utiliza fibras a partir de fios de dióxido de titânio. O vestuário fabricado com algodão recebe um tratamento químico, que contem um aditivo de fotoproteção que garante uma eficácia contra os raios ultravioleta. O revestimento químico e as fibras de dióxido de titânio refletem os raios solares em de permitirem que eles não cheguem à pele.

Em jeito de conclusão podemos afirmar que as fardas e uniformes de trabalho para poderem atender ás necessidades atuais dos utilizadores, têm que obedecer a padrões de inovação, de um design diferenciador e sustentável e possuir características protetoras.

Partilhe: